Como descobrir a sua verdadeira essência?

Por Equipe Keyo

Quem sou Eu?

Caminhar pela autoconhecimento é se questionar. Como eu realmente sou? Quem sou eu, de fato? Como poderia conhecer partes de mim que ignoro?

Autoconhecimento
Fomos ensinados que somos isso, passamos a vida acreditando que os pensamentos que passam pela nossa cabeça são nossos, mas na realidade eles são produto do que nos foi ensinado durante a vida, e da forma como sentimos e interpretamos as experiências que vivemos. Tudo isso está armazenado no seu “computador” mental. Esse computador realiza jogos psicológicos recheados de emoções para que a gente se envolva cada vez mais com ele.
A demanda por autoconhecimento é consolidada no nosso dia a dia. Falamos nisso constantemente e temos curiosidades inefáveis sobre o assunto. Como eu realmente sou? Quem sou eu, de fato? Como poderia vir a conhecer aquelas partes de mim que ignoro ou desconheço? Conhecer-se é, ou pode ser, o primeiro passo para mudar-se para melhor, como não poderíamos deixar de querer.
A liberdade só pode ser alcançada por meio da conquista de nós mesmos. Buscar o que nos alivia, nos acalma, nos nutre e nos motiva fora de nós é inútil e exaustivo; dentro de nós repousa a sabedoria que buscamos desesperadamente fora
Busque pelo autoconhecimento, a realização de um ser repousa nele mesmo. Compreender que a simplicidade guarda a elegância, a beleza e, principalmente, a leveza que nossas almas tanto buscam só é possível quando damos crédito a essa simplicidade latente em nosso mundo interior.

Autoconhecimento: Sinais de que você se desconectou de si

Perceba os sinais de que você está desconexo de sua verdadeira essência:

Perda de interesse nas coisas que gosta

Se o seu hobby preferido já não te anima e não parece fazer muito sentido, fique atento. Pode ser apenas um sinal de mudança natural, mas se for repentino ou parecer estranho para você, provavelmente é um sinal de desconexão. Quando estamos longe de nós mesmos, nossos desejos e vocações mais íntimas ficam retraídas. Pode parecer depressão ou preguiça, mas a chance de desconexão é imensa.

Mudança de humor repentina

Você acorda bem, daqui cinco minuto já está reclamando da vida, se sente culpado e tem uma crise de choro e logo em seguida tem um ataque de riso. Cuidado, ninguém equilibrado passa por tantas fases de humor em tão pouco tempo, principalmente sem motivo aparente. É um claro sinal de que falta harmonia entre seus pensamentos, sentimentos e a vida que anda levando.

Falta de empatia

Ainda no mesmo raciocínio de mudança de humor repentina, quando se está em desconexão tendemos a ficar mais irritadiços e não conseguimos entender o ponto de vista alheio. A empatia parece passar longe de nossa personalidade e as pessoas tendem a se afastar. Se você mesmo não se reconhece em suas atitudes perante as pessoas que convive, é mais um motivo de atenção.

Sensação de ansiedade constante

Simplesmente não importa o que se está fazendo, concentrar-se é impossível. Qualquer outra coisa parecerá mais interessante e a ansiedade andará de mãos dadas com você. O ritmo acelerado toma conta de todas suas ações e sempre parecerá que precisa fazer mais.

Saúde debilitada

A somatização pode afetar inclusive a saúde física. Você fica doente toda semana? É um alerta, sem dúvida. O corpo não consegue funcionar como deveria se o seu cérebro parece fora de órbita. É como se você desse a sua saúde uma missão, mas não desse um manual de instruções de como ela deve atingir o objetivo.

Tudo fica fora de lugar

Nada faz sentido, não importa para onde você olha, com quem você fala ou o que tenta fazer. Simplesmente nada parece ser como costumava ser. Será que tudo mudou ou você que está com algum problema? Reflita.

Mudar de vida parece muito difícil

Qualquer atitude que você tente tomar para sair deste ciclo de mazelas parece infinitamente mais difícil do que já foi. Meditar é uma tarefa árdua, a intuição parece não existir mais, e nem aquela força de vontade que você sempre se orgulhou em ter consegue te safar dessa. Alerta máximo!
Para que tudo retorne à harmonia costumeira, identificar e reconhecer o problema é o primeiro grande passo. Depois é só trabalhar aos poucos para que as atitudes mudem e, consequentemente, faça tudo retornar ao seu eixo correto.
Preste sempre muita atenção aos sinais que o seu corpo e o universo ao seu redor te enviam diariamente. É através deles que podemos retomar as rédeas de nossa vida e entrar em perfeita conexão com nosso eu verdadeiro.

Como voltar para dentro de si?

Quanto mais damos crédito ao externo, mais confusos nos tornamos quando olhamos para dentro de nós e cada vez mais desconfortáveis, esvaziados e aflitos nos sentimos, pois o que está fora glamouriza a artificialidade do externo e desqualifica a simplicidade das necessidades internas, esse fenômeno faz com que sejamos o que temos e não o que, de fato, somos. Pratique autoconhecimento!

O TER substitui o SER e vamos nos tornando coisas

Portanto, a partir do olhar de “coisa”, não posso ver pessoas, paisagens, sensações e percepções, apenas objetos que manipulo. Assim, também aceito que me manipulem e as relações se tornam frias, baseadas em trocas. Cada dia que passa, ganhar ou perder não faz diferença, pois esse tipo de relação não leva à satisfação, leva à euforia se eu ganhar ou à impotência se eu perder, mas a saciedade nunca chega.

“O alívio libertador que a completude traz só é possível quando aplicamos esforço em descobrir quem nós somos. Cada ilusão que dissipamos sobre nós acalma a pressão diária de querer agradar o tempo todo, vencer sempre e estar constantemente atrás de uma felicidade inatingível atribuída às coisas ou às pessoas, pois não nos bastamos.”

É necessário sair do automático para identificar que a simplicidade desacelera, acalma e nutre; a partir de então, é possível compreender a verdadeira busca, que é conhecer a nós mesmos, como apontou Sócrates há tanto tempo atrás.

Seja a mudança que você espera no mundo!

Estamos em um tempo no qual mudar não é mais uma opção. A velocidade tecnológica, a globalização e a ameaça planetária com questões climáticas e de sobrevivência da espécie em termos sociais, culturais e econômicos nos lançou em um caminho sem volta: precisamos focar no autoconhecimento! Ou aprendemos a mudar com consciência ou seremos arrastados pela lógica desse tempo.
Para lidarmos com esse tempo precisamos desenvolver lucidez sobre quem somos, mas, para isso, precisamos contestar o que achamos que somos, precisamos aprender novos saberes, novas habilidades, modos de ser e de conviver; esse objetivo exige compromisso, esforço e muita persistência. E nada além da própria inquietação pode mobilizar essa vontade de mudar.

Este texto foi criado com base no www.eusemfronteiras.com.br