Terapias Holísticas: Aromaterapia

Por Equipe Keyo

É uma prática terapêutica que utiliza as propriedades dos óleos essenciais para recuperar o equilíbrio e a harmonia do organismo. Além disso, ajuda a promover a saúde física, mental e o bem-estar.

O que são óleos essenciais?

São extraídos diretamente da essência de partes das plantas, seja de sua raiz, de seu caule, de sua semente, de sua folha, sua flor ou fruto (especialmente da casca de frutos cítricos). Estes são conhecidos como Óleos Essenciais, possuem propriedades e ações terapêuticas, além de suas propriedades farmacológicas, e seu aroma é característico da planta de onde foram destilados.

Como funciona a aromaterapia?

A aromaterapia trabalha de uma maneira natural e holística. Os óleos essenciais 100% puros contêm substâncias químicas que atuam no nosso corpo. Assim, restauram as energias curativas e proporcionam o equilíbrio entre corpo, mente e espírito.

Ao inalar os aromas dos óleos, os canais olfativos mandam a mensagem para a parte do sistema nervoso. Esse, por sua vez, é responsável pelas emoções. Portanto, nosso cérebro reage às propriedades aromáticas, modificando o humor ou o estado de espírito de alguém.

Além dos efeitos benéficos na nossa mente, os óleos essenciais têm ainda propriedades bactericidas, antifúngicas, antivirais, entre outros. Por fim, muitos remédios da medicina tradicional possuem compostos extraídos de óleos essenciais, como o mentol e a cânfora.

Como é utilizado?

Após a anamnese feita pelo terapeuta a indicação será personalizada de acordo com cada consulente:

  •  Inalação
  •  Aromatizador
  •  Evaporação
  •  Sprays
  •  Vaporização
  •  Massagem
  •  Banhos

Benefícios

Estes são apenas alguns dos diversos benefícios dos óleos essenciais:

  •  Alívio nas situações de estresse;
  • Combate a insônia;
  •  Combate a irritação e ansiedade;
  •  Calmantes;
  •  Melhora da imunidade;
  •  Melhora na disposição física e concentração;
  •  Elevação vibracional;
  •  Complementar em tratamentos físicos;
  •  Melhora na saúde da mulher;
  •  Tratar doenças respiratórias, como asma;
  •  Amenizar dores musculares.

Quem pode utilizar a Aromaterapia?

Os óleos essenciais possuem contra indicações, assim como interações com certos medicamentos. Por este motivo é de suma importância a avaliação com um aromaterapeuta capacitado que vai olhar cuidadosamente cada consulente e indicar os óleos de forma segura.

Aromaterapia à distância?

É possível que os atendimentos sejam feitos de forma virtual. Através de uma anamnese (avaliação) detalhada, o aromaterapeuta fará as suas prescrições de forma segura e eficiente.

Onde começou?

Ao que tudo indica, o Egito foi o berço da arte de destilação a seco de óleos. A arte não era usada apenas para perfumar, mas também nas cerimônias de adoração divina e em alguns processos terapêuticos. Além disso, os egípcios utilizavam gomas e óleos para embalsamar os mortos.

No entanto, somente durante os séculos XVI e XVII os óleos essenciais começaram a circular no comércio e a Aromaterapia ganhou mais visibilidade no mundo. O nome do método, aliás, foi criado em 1928 pelo químico francês Maurice René de Gattefossé. Ao queimar seu braço e mergulhá-lo acidentalmente em óleo de lavanda, o especialista percebeu que a dor melhorou e em poucos dias o local queimado estava curado. Desde então ele se dedicou ao estudo das propriedades terapêuticas dos óleos essenciais.

Durante a 2ª Guerra Mundial, diante da escassez de antibióticos para tratar os feridos, alguns médicos fizeram tentativas com os óleos essenciais. Surpreendentemente o uso da técnica se mostrou eficaz para atenuar os processos de infecção.

De lá pra cá, a aromaterapia vem ganhando muitos adeptos. É uma prática reconhecida pela Organização Mundial da Saúde. Segundo a International Aromatherapy Association, aliás, é uma técnica complementar aos tratamentos de sintomas físicos, mentais, emocionais e do bem-estar geral.

Em 2018, a Aromaterapia foi incluída na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PNPICS) do Ministério da Saúde (MS). Evidências científicas, inclusive, têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares.